Revisitando a história de quando fui camelô

Recentemente percorri ruas do Centro, buscava reencontrar alguns personagens dos tempos em que fui camelô por 2 anos no final dos anos 90 e início dos anos 2000. Reencontrei muitos, reencontrei quase todos os meus antigos colegas de trabalho, mas também encontrei muitas outras histórias e alguns destes trabalhadores (as) toparam pousar para a câmera de meu celular de modo que este movimento de reencontros e encontros me permitiu iniciar um pequeno conjunto de imagens de trabalhadores e trabalhadoras informais. São muitos e muitas trabalhadoras. São cada vez em maiores números, segundo registro da própria percepção dos trabalhadores. As condições de desemprego e a precarização empurra muitos para a informalidade das ruas.